quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Teorias que fizeram de educador Nietzsche, o GRANDE Nietzsche.

Principais teorias
TEORIA DO ESTADO - Em sua teoria do Estado, Friedrich Nietzsche demonstra-se contrário à democracia moderna, destacando que esta representa a supervalorização da igualdade e, neste sentido, impede o crescimento de grandes homens que promovam o progresso da cultura e da humanidade. Nietzsche propõe uma forma de superar o movimento democrático de modo que a cultura será reconstruída sob um novo modelo, que não esteja centrado nos valores dos escravos (povo), mas nos valores dos homens excepcionais.
DEMOCRACIA E PROGRESSO DA CULTURA - Segundo Nietzsche, todas as ideologias democráticas (inclusive socialistas, liberais, etc) têm um ponto em comum: a sua base é fundada no cristianismo, na medida em que, sendo humanistas, pregam a igualdade dos homens. Enquanto o cristianismo ressalta que todos são iguais perante Deus, os modernos somente substituem Deus pelo Estado. Permanece, então, o sentimento de igualdade que se originou no cristianismo e se irradiou por todas as doutrinas democráticas.

A RELAÇÃO ENTRE GOVERNANTES E GOVERNADOS - O governo sempre foi superior ao povo, dando-lhes as direções a seguir. Se o governo se parece e corresponde aos anseios do povo, ele perde a sua capacidade de liderança e de guia do processo civilizatório. Mais precisamente, o governo não deve e não pode refletir a vontade do povo, sob pena de se tornar uma instância inferior e submetida a este. Esta idéia de Nietzsche é conflitiva com todos os teóricos democráticos, principalmente Rousseau e Marx. O governo que é governado pelos governados deixa de criar condições para o surgimento dos grandes homens, prejudicando a cultura pois, como vimos, a cultura da massa é medíocre e sufoca o aparecimento dos grandes homens.

TEORIA DA VERDADE - A teoria de Nietzsche da verdade renova a teoria dos sofistas, pois para Nietzsche não existe uma verdade absoluta.

ETERNO RETORNO - A pergunta que o conceito do Eterno Retorno nos faz é: ‘amamos ou não amamos a vida?’ Se tudo retorna – o prazer, a dor, a angústia, a guerra, a paz, a grandeza — se tudo torna, isto é um dom divino ou uma maldição?"
                     Amamos a vida a tal ponto de a querermos, mesmo que tivéssemos que vivê-la infinitas vezes sem fim? Sofrendo e gozando da mesma forma e com a mesma intensidade? Seríamos capazes de amarmos a vida que temos – a única vida que temos – a ponto de querermos vivê-la tal e qual ela é, sem a menor alteração, infinitas vezes ao longo da eternidade? Temos tal amor ao nosso destino? – Eis a grande indagação que é o Eterno Retorno.

2 comentários:

  1. Qual teoria de Nietzsche que fala que o amor entre duas pessoas não existe?

    ResponderExcluir
  2. Qual teoria diz que ele fala sobre a desigualdade?

    ResponderExcluir